2016-06-16

Onde encontrar recursos?

Assim como comentamos no último texto do blog, o investimento muitas vezes é necessário para tirar a ideia do papel ou ainda para dar escala ao negócio.

Para buscar por investimentos, é importante ter um modelo de negócios pronto e a proposta do empreendimento bem construída, para mostrar que a aplicação financeira no projeto é viável e interessante.

Na hora de escolher especificamente o tipo de investimento, um fator que pode ajudar é identificar a fase em que o negócio se encontra.

Nesse sentido, Daniel Izzo, no livro “Negócios com impacto social no Brasil”, criou uma tabela com os modelos de financiamento mais apropriados para cada fase do empreendimento. Apesar de se referir a negócios de impacto social, a tabela vale para todos os tipos de empresa.

recursos

Fonte: IZZO, Daniel. Fontes de Financiamento. In: BARKI, E. et al (org.). Negócios com impacto social no Brasil. Capítulo 7. P. 156.

Quem pode colaborar?

Na fonte de recurso “doações”, podemos citar também o crowdfunding,que se refere ao financiamento coletivo por meio da internet. Esse modelo é mais adequado para empreendedorismo social, já que o impacto social positivo é um interesse de todos. Nesse sentido, algumas plataformas são: Broota, Catarse, StartSomeGood e a Benfeitoria.

Em termos de subvenção econômica, alguns órgãos do governo se destacam com editais para o desenvolvimento de iniciativas inovadoras e tecnológicas: Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT); Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Fundo Multilateral de Investimento (Fumin); e Banco Interamericano de Investimento (BID).

Empréstimos subsidiados ficam por conta do International Finance Corporation (IFC); Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID); Agência Brasileira de Inovação (Finep); e Banco Nacional de Desenvolvimento econômico e Social (BNDES).

Já os empréstimos com taxa fixa podem ser encontrados nos bancos comerciais privados, mas é muito importante analisar com cuidado o valor das taxas cobradas.

Os investimentos mais profissionalizados, que também costumam colaborar na gestão do negócio, e muitas vezes solicitam participação acionária, ficam a cargo de investidores-anjo, venture capital, private equity e capital semente. Mais informações sobre essas fontes de recursos podem ser vistas no link: https://endeavor.org.br/venture-capital/ .

 

Em todos os casos, o importante é entender o momento pelo qual a empresa está passando, qual o seu perfil e qual é a contrapartida de cada fonte, para não levar sustos na contabilidade futura.

Laís Mezzari e Thiago Chaves

Laís Mezzari é mestre em Administração pela ESAG/UDESC, com foco em Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental Corporativa. Junto com Thiago Chaves, é co-autora do livro “Negócios de Impacto Social: um guia prático”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *