mobilidade-urbana

Mobilidade Urbana: Soluções coletivas

Sofremos um grave problema de “imobilidade” urbana. As cidades não foram planejadas para suportar a quantidade de carros atual, os transportes públicos são de má qualidade, as ciclovias raramente existem e os táxis são caros. Isso sem contar com o tráfego nas pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Salles, que sempre “trava” nos horários de pico. Realizar atividades rotineiras e necessárias, como ir ao trabalho, se torna uma maratona.

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, dados do Observatório das Metrópoles revelam que entre 2002 e 2012, enquanto a população aumentou 12,2%, o número de veículos apresentou crescimento de 138,6% no país. Florianópolis é uma das cidades com maior quantidade de carros por habitante, alcançando a marca de um carro para cada 2,14 moradores, segundo dados de 2013.

Existem diversas ações que devem ser tomadas pelo poder público para melhorar essa questão. Mas, como isso envolve orçamento, planejamento e também a boa vontade dos governantes, os projetos demoram a serem implantados. Nesse cenário, mais uma vez, as iniciativas da sociedade se destacam e buscam por soluções de uma forma mais prática.

Pelo Brasil e pelo mundo, vários empreendimentos estão sendo criados para solucionar – ou ao menos amenizar – o problema. São aplicativos de caronas, estacionamentos para bicicletas com vestuário e armário, além de organizações entre moradores de um mesmo bairro, colegas de trabalho, entre outros.

Em Florianópolis, por exemplo, um projeto de destaque neste segmento é o Caronilha, que incentiva a carona por meio de uma plataforma com localização de coordenadas GPS, integrado com redes sociais e fácil acesso via smartphone. O projeto tem sido implementado, inicialmente, em médias e grandes empresas da região e procura ser uma forma alternativa de transporte.

Outro exemplo é o grupo de caronas entre Joinville e Florianópolis, que funciona há mais de dez anos e se organiza por meio de redes sociais, como o Facebook. Neste caso, o dono do carro oferece a carona e os “caroneiros” colaboram para o pagamento da gasolina.

A locomoção por bicicleta, transporte público ou grupos de carona trazem diversos benefícios, seja uma melhora da saúde e disposição e não-emissão de gases poluentes, no caso da bicicleta, como também novas amizades, economia e agilidade.
Seja com qualquer uma dessas três opções, o que se sabe é que algo deve ser feito. E as iniciativas coletivas têm um grande poder nesse cenário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *